Você está aqui: Primeira Página CADERNO CIÊNCIA E TECNOLOGIA
edição de 01.03 a 08.03 de 2008

  CADERNOS

 Campus
 Ciência/Tecnologia
 Cultura
 Geralis
 Mídia
 País
 Regional
 Saúde
 Primeira página



  OUTROS SERVIÇOS

 UNISANTA Online WAP
 UNISANTA Online RSS

 Podcast do Online



  CONTATO

 Sugira uma pauta
 
Colabore conosco
 
Escreva para nós


  O ONLINE

 Arquivo
 
História
 
Eleições 2004
 Eleições 2006
 
Parceria InfoSpace
 
Parceria U-Wire
 Expediente



  ADICIONE-NOS

 Na lista de Favoritos
 Como sua página inicial



 

 

 

 

 

 
imprima esta página
indique esta matéria para um amigo
Na guerra dos videogames, Wii sai na frente
sábado, 1 de março de 2008

Agnes Avelino

A guerra da indústria dos jogos dos bits e bytes continua a todo vapor no universo digital. O videogame PlayStation, da Sony, controla o mercado de consoles desde o lançamento do PlayStation 2, mas a Nintendo, com o videogame Wii, que é equipado com a tecnologia avançada de sensores de movimento, tem vendido quatro vezes mais que o console PlayStation 3, da Sony.

Considerado um videogame da sétima geração, como também é o PS3 (PlayStation 3) e o Xbox 360, o Wii chegou como uma aposta bem sucedida da Nintendo para se destacar novamente no ramo após ficar anos em último lugar no ranking das empresas.

A empresa apostou usando a simplicidade de gráficos, sem acrescentar muita coisa nova. Ao contrário dos atuais e avançados videogames, sua tecnologia em destaque é a inovação da interface. Os controles diversos e sem fio e o sensor de movimentos permitem mais interação. Enquanto isso, o PS3 apostou na alta tecnologia nos gráficos, com resoluções inéditas, e funções parecidas como as de um computador.

Segundo Lucas Patrício Ferreira Silva, redator do site GameTV, a simplicidade do Wii, além de baratear o custo, tem a intenção de atrair outro tipo de público que o PS3, isso é, pessoas que nunca jogaram videogame se interessam pelo Wii por causa da simplicidade e da inovação do controle, a grande vantagem desse console. Já pessoas mais envolvidas com as atualizações, que jogam há muito tempo e conhecem tecnologias e games, encantam-se mais com a tecnologia gráfica e funcional do PS3. Apesar disso, para Lucas "a briga de verdade é entre Xbox 360 e o PS3", já que Wii e PS3 acabam, por fim, visando públicos diferentes.


Outras reportagens do caderno Ciência/Tecnologia:

 Observatório astronômico abre suas portas
 Brasil é o quinto colocado em vendas de computadores
 Iphone chega ao Brasil, desbloqueado, porém ilegal
 Nova tecnologia da Apple une mapas a podcasts
 Resolvida a batalha pela sucessão do DVD
 HDTV é a TV do Século 21, mas está distante do povo


 

 

 

 

DESTAQUES

PODCAST DO ONLINE 

Sempre realizando experiências com as mais recentes tecnologias disponíveis, o UNISANTA Online inicia a publicação de matérias especialmente desenvolvidas para podcast.
Leia mais
 

ONLINE RSS 

Pioneiro em seu segmento, o UNISANTA Online publica uma versão XML de suas reportagens semanais.
Leia mais
 

FOMOS LÁ... 

 Descubra quantas vinhetas de desenho animado você consegue identificar
 Tirinhas, artigos e filmes de bom humor (negro)
 O melhor e o pior do cinema, personalidades, colunas e promoções
 Tudo sobre literatura brasileira, textos, biografias...


NO CAMPUS 

UNISANTA Notícias
Página contendo as últimas novidades da universidade em informes elaborados pela Assessoria de Comunicação da UNISANTA.

Visita virtual 360º
Faça agora mesmo uma visita virtual ao campus da UNISANTA e visualize seus ambientes em 360º.

Primeira Impressão
Jornal-laboratorial elaborado por alunos do quarto ano do curso de Jornalismo da Universidade Santa Cecília.

mais sites

 

UNISANTA Online - Jornal-laboratório da Faculdade de Artes e Comunicação da Universidade Santa Cecília (FaAC)
Correspondência: UNISANTA Online - Rua Oswaldo Cruz, 266 - Boqueirão - Santos - SP.
© 1994-2008 Universidade Santa Cecília - Todos os direitos reservados. Reprodução de textos permitida mediante autorização.
As matérias publicadas são de inteira responsabilidade dos alunos-repórteres, sob a coordenação dos respectivos
professores-orientadores - não representando, portanto, a opinião da Universidade.